E que tal foi viajar sozinha?

Foi óptimo!

Vantagens de viajar sozinha

Não encontro muitas vantagens em viajar sozinha, mas a primeira vale por mil!

  • Posso fazer o que quiser, quando quiser, sem ter de negociar ou fazer concessões! Se quiser, levanto-me cedo; se estiver cansada, posso ficar a molengar no alojamento. Se me apetecer almoçar às 16 horas, almoço. Se me apetecer dar mais um mergulho no mar, dou. Se me apetecer prolongar a estadia num determinado local, prolongo. Se me apetecer visitar todos os museus da localidade, visito. Se me apetecer dormir uma sesta, durmo. Se me apetecer jantar às 18 horas, janto. Se me apetecer reservar uma excursão cara, reservo. Se precisar de poupar, poupo. Adoro a liberdade que esta independência me dá e esta é, para mim, a principal vantagem de viajar sozinha.
  • Por outro lado, é mais fácil absorver os vários estímulos que uma viagem traz quando se está só e também mais fácil interagir com pessoas locais ou outros viajantes quando não se está em grupo.
  • Por último, sinto que consigo aproveitar mais o dia, porque não despendo muito tempo em grandes refeições.
Durante a minha estadia em Hobart, na Tasmânia, dediquei um dia inteiro ao MONA, um museu muito peculiar. Nem todas as pessoas teriam paciência para me acompanhar.

Desvantagens de viajar sozinha

  • Para mim, o principal aspecto negativo de viajar sozinha é não ter com quem partilhar os momentos mágicos da viagem. Estou a pensar, por exemplo, na excursão ao Kanku-Breakaways Conservation Park, nos arredores de Coober Pedy, em South Australia, durante a qual assisti ao pôr-do-sol no deserto. Senti-me esmagada pela imensidão e beleza da paisagem e teria gostado de partilhar esse momento com alguém querido.
  • Por outro lado, quando regresso de viagem, tenho sempre a sensação de que as memórias são muito distantes. Sinto que, quando se viaja acompanhado, acabam por surgir brincadeiras e piadas que se vão partilhando nos meses seguintes, o que permite manter vivo o espírito da viagem. Na falta de um(a) companheiro(a) de viagem, criei um blog!
  • Tanto em viagem como em Portugal, as refeições fora são das poucas actividades que, regra geral, não gosto de fazer sozinha. Isso faz com que acabe por conhecer poucos restaurantes no destino. Por outro lado, poupo tempo e dinheiro nas refeições – uma desvantagem transformada em vantagem!
  • Não ter ajuda para lidar com situações difíceis. Durante a minha estadia na Austrália, o único momento em que desejei ter companhia foi quando tive de decidir se interrompia a viagem por causa da pandemia. Sou muito indecisa e teria sido óptimo ter alguém ao meu lado para suavizar o processo.
    Felizmente, não adoeci. Esta é uma situação em que é péssimo estar só. Durante o meu semestre Erasmus, na Hungria, tive uma pneumonia e não foi nada simpático ter de me orientar sem ajuda. Essa foi a única altura em que tive vontade de regressar a Portugal, mas nem tinha energia (nem saúde) para tal.
  • Selfies intermináveis! Gosto de fotografar os locais que visito. E gosto de aparecer em algumas das fotografias. Mas, a certa altura, já estava fartinha das minhas expressões nas selfies. De vez em quando, para variar, lá pedia a alguém para me tirar uma fotografia e, claro, oferecia-me para retribuir o favor. Várias vezes, fiquei com a sensação de que as pessoas já acham estranho tirar fotos que não sejam selfies.
  • Recai sobre mim a totalidade do ónus do planeamento da viagem. Se eu não tratar de reservar uma excursão ou um alojamento, fico sem planos ou tecto. Independentemente da preguiça e/ou inspiração, tenho de tratar da logística.
  • Por outro lado, viajar só pode trazer custos adicionais, nomeadamente quando se opta por quartos privados (por oposição a camaratas ou dormitórios). Isto porque um quarto individual é, regra geral, mais caro do que o preço por pessoa de um quarto duplo ou triplo. Acresce que alugar um carro acaba por não ser uma opção, dados os custos elevados.
  • Por último, quando se viaja acompanhado, acaba-se por visitar sítios que nos poderiam passar ao lado, por não nos parecerem prioritários, e que até podem ser excelentes surpresas.
Esta fotografia não faz jus à beleza do pôr-do-sol no Kanku-Breakaways Conservation Park, nos arredores de Coober Pedy, em South Australia.

Reconheço que não partilhar uma viagem a pode empobrecer em certos aspectos. Mas adorei ter proporcionado a mim própria a oportunidade de viajar sozinha pela Austrália e tenciono repetir a experiência!

Publicado por Halterofilista

Fiz um ano sabático e ocupei parte do meu tempo livre com uma viagem à Austrália.

2 opiniões sobre “E que tal foi viajar sozinha?

  1. Que viagem maravilhosa! A sua descrição pormenorizada do que viveu na Austrália leva-me a sonhar! Obrigada pela partilha e obrigada por me dar uma nova forma de a ver! Beijinhos

    Liked by 1 person

    1. Muito obrigada pelo seu comentário tão simpático, crislueji! Fiquei fã da Austrália e recomendo vivamente uma visita a este país a toda a gente.

      Gostar

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create your website with WordPress.com
Iniciar
%d bloggers like this: