O dia em que descobri a verdade sobre os koalas

14-03-2020

Bom dia alegria! Comecei o dia com uma visita rápida ao famoso Salamanca Market, na inevitável Salamanca Place, no centro de Hobart.
Trata-se de uma feira de produtos locais, alimentares e não só. Gostei de espreitar as diferentes bancas e tive de controlar o meu consumismo e gulodice. Acho que foi a única vez em que vi tantas pessoas juntas em Hobart, o que, nesta fase inicial de pandemia, já não era muito agradável.

A minha paragem seguinte foi o Bonorong Wildlife Sanctuary, a cerca de meia hora de Hobart. Mal cheguei, corri para apanhar uma das visitas guiadas e ter o ponto alto do meu dia: fazer festas a um wombat pela primeira vez! Neste caso, a menina wombat Rhonda – adorei! Os wombat são marsupiais quadrúpedes nativos da Austrália. São herbívoros e escavam túneis, onde se refugiam. Quando se sentem ameaçados, viram o “rabo” para a ameaça, por ser uma zona com fluxo sanguíneo reduzido, logo com menor risco de sangramento e perigo de vida em caso de ataque.
Percebi que são muito afectuosos até aos 18-24 meses, quando se tornam agressivos, inclusive com os tratadores.

A seguir, levei com um balde de água fria. De acordo com o guia, os koalas são animais muito pouco inteligentes e com o cérebro do tamanho de uma noz. Limitam-se a comer e dormir.
Fiquei ambivalente. Os koalas são os meus animais australianos preferidos! Mas não gostei de saber destas suas limitações… Vou ter de rever este meu ranking! No entanto, burro ou não, continuo a querer pegar num koala ao colo.

O koala Bert – um fofo!

O resto do tempo foi passado a conhecer os outros animais do parque. Revi diabos-da-Tasmânia, equidnas e emus. Fiquei encantada com as aves deste santuário: tão bonitas e variadas! Mora em Bonorong um papagaio, o Fred, com mais de 100 anos! Mas ninguém lhe dá mais de 20.

Hello Fred!
Alguma da bicharada do Bonorong Wildlife Sanctuary.

Outro dos meus momentos preferidos do dia foi ter podido interagir novamente com cangurus! Desta vez, vi, ainda, um joey no interior do marsúpio e outro canguru juvenil a mamar!

No entanto, não me senti tão à-vontade com estes cangurus, porque comiam muito sofregamente e magoavam um pouco a mão. E houve até um que me arranhou ligeiramente com uma das suas patas. Serviu para recordar de que se trata de animais selvagens.
Por isso mesmo, fiquei surpreendida por ver alguns pais a deixar os seus filhos junto dos cangurus. A certa altura, reparei num menino, que não teria mais de 3 anos, sozinho e rodeado por cangurus maiores do que ele. O menino estava a chorar, claro. E só passados alguns (longos) segundo veio um dos pais resgatá-lo!

Quando este senhor canguru se atravessou no meu caminho, eu dei meia-volta! Aqui quem manda é ele!

De regresso a Hobart, visitei The Cenotaph, um monumento construído em honra dos combatentes da I Guerra Mundial, que também homenageia os soldados australianos que combateram em conflitos posteriores. O cenotáfio está localizado numa colina muito tranquila e com vistas bonitas para o rio Derwent e a Tasman Bridge.

O rio Derwent e a Tasman Bridge vistos a partir da colina do cenotáfio.

Depois, dediquei o resto da tarde a planear os meus próximos passos na Tasmânia. Peguei nos quilos de folhetos turísticos que havia recolhido e instalei-me num café giríssimo em Salamanca Square (where else?) que a guia do free walking tour havia recomendado.

A minha companhia durante a preparação dos próximos dias. Já disse que sou gulosa?

Entretanto, recebi uma má notícia – a excursão que havia reservado para o dia seguinte foi cancelada por não ter sido atingido o número mínimo de participantes. A pandemia começava a fazer efeito no turismo da Tasmânia. Felizmente, consegui fazer nova reserva para o dia seguinte com uma outra empresa.
Nesta fase, sentia-me muito segura na Austrália e ainda não me passava pela cabeça antecipar o meu regresso a casa.

Por outro lado, já estava na Tasmânia há quase uma semana e ainda faltava tanto para ver! Tinha planeado dedicar apenas uma semana a esta ilha, mas estava a sentir-me tão confortável em Hobart, que adiei por mais uns dias o meu regresso ao continente.

Publicado por Halterofilista

Fiz um ano sabático e ocupei parte do meu tempo livre com uma viagem à Austrália.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create your website with WordPress.com
Iniciar
%d bloggers like this: