Kangaroo Island

04-03-2020

Kangaroo Island é a terceira maior ilha da Austrália (a seguir à Tasmânia e à ilha Melville, no Northern Territory) e um dos locais a não perder em South Australia. No entanto, esta ilha foi afectada por um incêndio em larga escala entre Dezembro e Janeiro.
Assim, não sabia se valeria a pena visitá-la. Aconselhei-me no posto de turismo de Adelaide, onde uma simpática senhora me explicou que a área ardida correspondia a mais de um terço da ilha, mas que ainda poderia visitar vários locais muito bonitos. Basicamente, como não conhecia a ilha, não saberia o que estava a perder! Gostei desta perspectiva e decidi arriscar.
Fui aconselhada a optar por uma excursão de dois dias, mas acabei por reservar uma excursão de um dia, porque achei que talvez não se justificasse dedicar tanto tempo a esta ilha (e também para poupar alguns dólares).

Assim, na quarta-feira, acordei às 05h30 (aiii) e meti-me num Uber (com um condutor muito simpático, indiano, cujo pai já tinha vivido em Portugal!) até à estação rodoviária de Adelaide. Lá, entrei num autocarro, para cerca de duas horas de caminho até Cape Jervis. Durante o caminho, pude espreitar, pela primeira vez, o Oceano Antártico e ver cangurus. Depois, ala para o ferry, para 45 minutos de congelação (alguém que desligue o ar condicionado, por favor!) e baloiço (felizmente, adormeci) até Penneshaw, em Kangaroo Island.

Chegada à ilha, tinha a simpática Kate à minha espera, na sua carrinha, com mais 13 turistas. Partimos em direcção à quinta Rob’s Shearing & Sheepdog, para uma demonstração de tosquia de ovelhas. Vimos o cão do Sr. Rob a conduzir as ovelhas e, depois, o Sr. Rob tosquiou uma ovelha merino. Achei todo o processo um pouco bruto (sou uma menina da cidade), mas gostei desta experiência rural, durante a qual usei a minha técnica profissional para sobreviver a maus cheiros – respirar pela boca!

Sessão de tosquia na quinta Rob’s Shearing & Sheepdog.

Depois da quinta, seguimos para Pennington Bay, para apreciar o imponente Oceano Antártico. Que vista incrível! Só foi pena o sol não ter dado um ar da sua graça.

Oceano Antártico em Pennington Bay.

Entretanto, a simpatiquíssima Kate ia-nos dando informações sobre os animais, as paisagens e a cultura local. Durante as viagens, vimos cangurus e parámos para observar um koala no seu eucalipto.
A paragem seguinte foi numa fábrica de produção de óleo de eucalipto, onde comprei um creme de mãos com este óleo, para me mimar e apoiar a economia local.

Depois do almoço, seguimos para Seal Bay, onde visitámos uma colónia selvagem de leões-marinhos. Adorei, são tão lindos e fofos! Desta vez, estive mesmo perto deles, mas é preciso ter cuidado porque, apesar do seu ar simpático, podem ser perigosos. O nosso guia estabeleceu uma distância de segurança de 10 metros.
Como é habitual nestes animais, a maioria dormia, depois das suas longas viagens marítimas. Mas alguns foram-se espreguiçando, outros passearam um pouco, dando piparotes a outros leões, e vi dois a nadar. A certa altura, veio uma onda, que molhou um grupo de leões que estava a descansar. E lá tiveram eles de se afastar da linha de água. O momento mais especial foi quando vi uma cria a mamar – que bonito!

A paragem seguinte foi em Little Sahara, uma zona de dunas. Estava previsto no programa praticarmos sandboarding, uma especie de snowboarding, mas na areia. Eu tinha semi-decidido que não iria experimentar e aproveitaria para passear pelas dunas – como mais tarde a Kate diria, não tenho o equilíbrio nem a confiança necessários para estas modalidades. Mas, quando lá chegámos e vi que até alguns dos meus companheiros de viagem mais velhos pegaram numa prancha e avançaram para as dunas, decidi arriscar. Subir a duna foi um desafio – não é fácil subir uma encosta de areia! Chegada lá a cima, a vista era impressionante e assustadora – quero mesmo descer isto numa prancha? Optei pela versão “sku” da modalidade e, graças às dicas da Kate, consegui não me despenhar! No total, fiz quatro descidas e fiquei fã, foi muito divertido! Mas vim de lá em versão croquete e com areia em locais onde a areia não deveria ter permissão para entrar.

Duna onde praticámos sandboarding.

A última paragem do dia foi Vivonne Bay, uma linda praia na costa sul da ilha. Foi aí que tivemos uma pequena ideia da magnitude do último incêndio. Toda a vegetação das dunas estava queimada… No entanto, já começam a despontar alguns ramos verdes!

A bonita, apesar de ardida, Vivonne Bay.

O dia aproximava-se do fim e estava na hora de regressar a Penneshaw para apanharmos o último ferry do dia. Gostei muito das paisagens nesta viagem de regresso, que fizémos com sol. Antes de entrar no ferry, ainda passeei um pouco à beira-mar com uma das minhas companheiras de excursão.

Já em Penneshaw, enquanto aguardava pelo ferry.

Tive pena por não passar a noite em Kangaroo Island. A ilha é muito bonita, a Kate era uma excelente guia e o grupo era muito simpático e divertido.
Durante a baloiçante viagem de ferry, assisti a mais um bonito pôr-do-sol.

Até qualquer dia, Kangaroo Island!

Publicado por Halterofilista

Fiz um ano sabático e ocupei parte do meu tempo livre com uma viagem à Austrália.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create your website with WordPress.com
Iniciar
%d bloggers like this: