Hello Freo!

19 a 22-02-2020

Estava na hora de seguir para a minha próxima paragem: Fremantle (Freo para os amigos), ainda nos arredores de Perth.

A primeira impressão foi óptima: cheguei ao final da tarde e, depois de uma paragem técnica num supermercado, fui directa para a praia, para assistir a mais um incrível pôr-do-sol sobre o Oceano Índico. Tive a sorte de estar em Fremantle durante o festival Sculpture at Bathers, durante o qual estão em exibição esculturas muito bonitas e interessantes na Bathers Beach, no centro da cidade. Gostei muito do ambiente nesta zona de Fremantle! E nota-se que se está numa cidade, que até tem universidade.

O meu primeiro pôr-do-sol em Fremantle.

O dia seguinte foi dedicado à ilha Rottnest (escreverei sobre a minha visita a esta ilha numa outra publicação), pelo que só explorei Fremantle na sexta-feira dia 21. Comecei pela Fremantle Prison, que esteve em funcionamento até 1991. E foi isso que me chocou. A prisão tinha bom aspecto para o século XVIII, mas não parecia ter condições adequadas ao século XX.

Depois da prisão, passeei pelas ruas de Fremantle. Comecei pela Cappuccino Strip, uma rua cheia de cafés e restaurantes, muitos italianos (daí a alcunha desta rua), visitei os Fremantle Markets (mercado com comida, roupa, artesanato, souvenirs, etc.) e dormi uma sesta no jardim Esplanade – ser turista cansa! Fui acordada por um pássaro, que decidiu pousar num dos dedos do meu pé esquerdo – que susto!

Algo que já me havia chamado a atenção em Cottesloe é a população de aves desta região. Emitem sons muito diferentes dos das aves portuguesas (por vezes, parecem macacos ou crianças!) e são muito destemidos, aproximando-se muito das pessoas.

Depois deste susto, estava na hora de mais um lindo pôr-do-sol. Desta vez, tive a companhia da minha vizinha de cima no hostel. A seguir, jantámos un tradicional prato de fish and chips num restaurante em cima do mar.

No dia seguinte, visitei o Fremantle Arts Centre. Adorei! Bom ambiente e duas exposições muito interessantes de pintores aborígenes. Um dos meus objectivos durante a minha estadia na Austrália é conhecer a cultura aborígene e estas exposições foram uma excelente introdução a esta cultura milenar.

Pintura do artista aborígene John Prince Siddon.

Segui depois para a Round House, o edifício público mais antigo de Fremantle (data do século XVIII). Junto à Round House, havia uma série de galerias de arte (Fremantle é uma cidade muito artística). A minha preferida foi a galeria do fotógrafo Glen Cowans, que se especializa em fotografia subaquática. Adorei a galeria! As fotografias deste artista são lindíssimas e estavam sempre acompanhadas de legendas pormenorizadas. Adorava ter algumas das fotografias dele! Estive quase para comprar, mas pareceu-me pouco sensato comprar algo frágil no início da viagem. Mas cedi parcialmente à tentação e comprei um postal e um anel – a esposa do fotógrafo cria bijutaria com reproduções de fotografias do marido.

A minha última paragem em Fremantle foi South Beach, para mais uma sessão de bronze e mergulhos. Next stop: Perth!

Fremantle é conhecida por este estilo arquitectónico.

Publicado por Halterofilista

Fiz um ano sabático e ocupei parte do meu tempo livre com uma viagem à Austrália.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create your website with WordPress.com
Iniciar
%d bloggers like this: